21 de julho de 2016

Não se esqueça


Eu reprovei no teste, estava disfarçando o choro, eu sei, não era pra tanto mas você me conhece, eu entro em pane, quando sua mensagem chegou. Foi ai que que o disfarce acabou. Sentei e chorei como se tivesse acontecido uma tragédia. Na verdade era apenas um pedido de desculpas, pela grosseria da ultima conversa e eu me lembrei que era você quem me dizia que tudo daria certo, quando dava errado. Era você quem me lembrava todos os dias que eu era boa suficiente sim. E tudo que eu queria naquele momento era ter você a vista pra correr pro teu abraço e chorar até os olhos secarem.

Eu me lembrei das vezes em que você riu do meu desespero e passou a mão na minha cabeça como se achasse graça de todo o drama. Me lembrei de quando eu chorei a primeira vez e você me abraçou rindo. Onde você estava, eu nunca precisei tanto de um abraço. Onde você esta agora? Eu ainda preciso desesperadamente de você. Onde você esta, além de dentro de mim? De quem você anda cuidando, já que deixou de cuidar de mim.

Por favor não se esqueça, não se esqueça de tudo que planejamos viver. Por favor, não me diga que se esqueceu de cada um dos planos feitos. Por favor, apenas não se esqueça. Não me esqueça, junto com uma pilha de vontades que passaram, não me esqueça, como uma roupa que não lhe agrada mais. Por que eu ainda me lembro, exatamente, de quando começamos e como planejamos terminar nossa história. Ainda sinto o gosto da sua boca quando tomo certas bebidas. Eu ainda espero pelo final feliz que me prometeu. 

12 de julho de 2016

Traição.


Seu sorriso estampado em fotos me perturba, me lembra que ele já foi minha cena favorita. Nossas musicas tocam em todo lugar, trazendo a tona a verdade que eu tento disfarçar, de que eu ainda sou a mesma mulher de dois anos atrás. A mesma que fingia não sentir nada, a mesma que te olhava como se fosse a última coisa que eu desejasse ver todas as noites. E cada vez que alguém diz seu nome, me sinto fugindo da felicidade que eu sempre desejei. Me sinto traindo a mim mesma, cada vez que digo que você não me importa mais. Onde foi que eu me perdi, quando foi que nossas mãos escaparam uma da outra?

8 de julho de 2016

Caminhando para o lado oposto.


Eu acreditava que você era a pessoa com quem eu passaria meus últimos dias, vendo o por-do-sol do quintal de uma casa pequena, lado a lado. Eu sempre achei que você seria meu último amor. Agora eu nem sei mais quem somos. Eu costumava saber o que você estava pensando só de te olhar e agora você esta cada dia mais distante de mim. Foi indo embora devagarinho, cada vez que eu tentava te puxar pra perto, você acabava mais distante. Nós fomos nos perdendo aos poucos, e eu estou me perguntando onde foi parar o homem que eu amei mais do que a mim mesma. O homem que reconhecia meus sinais de longe. 

Nós eramos mais do que um casal, eramos parceiros, formávamos uma dupla imbatível. A gente se entendia só de se olhar. Seu colo era minha casa, meu abrigo. Nós virávamos noites juntos e acordávamos com saudade. Eramos ótimos na cama e melhores ainda de papo, agora nós mal conseguimos conversar sem discutir. Nossa afinidade deu lugar a uma disputa de quem era capaz de ferir mais fundo. Na noite em que você me deixou, acho que morreu alguma coisa dentro de mim. E ao invés de me reconquistar, tudo que você faz, é me afastar ainda mais. Eu ainda sou a mulher que te ama mais do que a qualquer outra coisa no mundo, mas perdi a fé em você.

4 de julho de 2016

Quantos anos serão necessários?


Eu passei semanas lamentando ter te amado tanto, passei noites inteiras acordada revirando na cama e em mim mesma, tentando entender como alguém podia me jurar amor e abrir mão de mim com tanta facilidade. Como era possível um homem amar duas mulheres, como era possível olhar nos meus olhos e dizer que não podia escolher, não podia escolher a mim. Passei dias que não lhe desejo de volta, me perguntando quais defeitos tão graves eu tinha. Por que eu não servia.

Quantas mensagens não enviadas, quantas noites te esperando se arrepender, quantas garrafas inteiras eu bebi. Quanto eu lamentei até alguém me provar que algumas derrotas são necessárias. Quanto eu te procurei por aí, até um outro par de olhos me olhar como você nunca olhou.

E agora, depois de tudo que foi dito, você diz que sente muito, que vai me esperar. Quem sentiu muito fui eu, quando você abriu mão de mim. Quando você me deixou dizendo que era o melhor a ser feito. Quando colocou outras pessoas acima de mim, acima da única pessoa que te fez prioridade. 

Eu deveria te odiar por isso, deveria me lembrar a cada manhã, da noite em que você escolheu me deixar pra lá, mas não consigo. Me pergunto quantos anos serão necessários pra esquecer o nosso ano.