31 de dezembro de 2015

Sobra desculpa onde falta querer.


Ele disse que não tínhamos nada em comum e que não duraríamos dois meses. Fui pra casa e listei pelo menos 15 semelhanças, só pra provar que ele não tinha razão. Guardei a lista e nunca mais toquei no assunto, lembrei que quem tem desculpa não tem vontade.

27 de dezembro de 2015

Uma despedida sútil.


Eu poderia facilmente enumerar uma lista de pelo menos 35 bons motivos, pelos quais nós jamais daríamos certo. Citaria sem dificuldade alguma uma dezena de pessoas que não nos aprovariam juntos e ainda assim permaneceria do seu lado. Eu soltaria cada cada laço que me prende se você me segurasse. Nós somos tão diferentes que me parece um disparate eu ter me apaixonado. Mas quando eu te olho todos os meus erros fazem sentido, antes de você eram apenas preliminares.

Talvez nada disso faça sentido pra você, talvez não signifique nada essas coisas que acaba de ler, talvez já tenha até traçado um plano de futuro sem mim. Não posso te obrigar a entender todas as coisas malucas que quis, que ainda quero, viver com você. Menos ainda te forçar a sentir o mesmo, e ainda que pudesse não o faria, eu sempre quis que gostasse de mim só pelo prazer de gostar. Por isso nunca te pedi nada em troca do afeto que ofereci.

Se as centenas de dias que passamos juntos não te tocaram de forma alguma, não há nada mais justo e digno do que me retirar em silêncio. Eu nunca implorei por nada, acredito que se não é me dado de livre vontade, então eu não mereço e nem preciso ter.

13 de dezembro de 2015

Noite passada.



Eu quase me apaixono por outro par de olhos noite passada. Gostei tanto daquela gargalhada que quase me esqueço como gosto da sua. Me senti tão bem em outros braços que quase te esqueço, mas no meio do abraço lembrei de você, lembrei do seu cheiro de quando sai do banho e quis que fosse você me abraçando. Quis abrir os olhos e ver o meu par de olhos preferido. Noite passada eu ri até a barriga doer e lembrei que última vez que ri assim foi com você, naquela volta pra casa. Noite passada eu quase fui feliz com outro cara, mas no meio do beijo de despedida eu quis te encontrar, deitar no seu colo e amanhecer ali. A noite foi incrível com ele, mas quem eu levei pra casa comigo foi você.

3 de dezembro de 2015

Não vale a pena que é.



Talvez você nunca tenha parado pra se perguntar o que eu estou fazendo aqui, eu me pergunto isso todos os dias. Cada vez que você vai embora eu me pergunto se vale a pena, se o que estou fazendo de alguma forma merece perdão. Eu não quero mais me sentir um deslize, não quero me perguntar mais nada, quero que você vá embora. Quero de volta uma consciência tranquila. Estou parada em frente a uma tela em branco tentando explicar que eu não te quero mais. Não quero mais sua metade, não quero mais fingir que não me importo, que não sinto, que estou satisfeita. Não quero mais alguém que aceite me dividir, não quero alguém dividido.
Não vale, sabe, decididamente, não vale a pena me sentir culpada, por mais incrível que tenha sido a noite. Não vale um sábado sozinha, por mais que a sexta tenha sido ótima ao seu lado. Não vale a pena que é.