31 de dezembro de 2015

Sobra desculpa onde falta querer.


Ele disse que não tínhamos nada em comum e que não duraríamos dois meses. Fui pra casa e listei pelo menos 15 semelhanças, só pra provar que ele não tinha razão. Guardei a lista e nunca mais toquei no assunto, lembrei que quem tem desculpa não tem vontade.

27 de dezembro de 2015

Uma despedida sútil.


Eu poderia facilmente enumerar uma lista de pelo menos 35 bons motivos, pelos quais nós jamais daríamos certo. Citaria sem dificuldade alguma uma dezena de pessoas que não nos aprovariam juntos e ainda assim permaneceria do seu lado. Eu soltaria cada cada laço que me prende se você me segurasse. Nós somos tão diferentes que me parece um disparate eu ter me apaixonado. Mas quando eu te olho todos os meus erros fazem sentido, antes de você eram apenas preliminares.

Talvez nada disso faça sentido pra você, talvez não signifique nada essas coisas que acaba de ler, talvez já tenha até traçado um plano de futuro sem mim. Não posso te obrigar a entender todas as coisas malucas que quis, que ainda quero, viver com você. Menos ainda te forçar a sentir o mesmo, e ainda que pudesse não o faria, eu sempre quis que gostasse de mim só pelo prazer de gostar. Por isso nunca te pedi nada em troca do afeto que ofereci.

Se as centenas de dias que passamos juntos não te tocaram de forma alguma, não há nada mais justo e digno do que me retirar em silêncio. Eu nunca implorei por nada, acredito que se não é me dado de livre vontade, então eu não mereço e nem preciso ter.

13 de dezembro de 2015

Noite passada.



Eu quase me apaixono por outro par de olhos noite passada. Gostei tanto daquela gargalhada que quase me esqueço como gosto da sua. Me senti tão bem em outros braços que quase te esqueço, mas no meio do abraço lembrei de você, lembrei do seu cheiro de quando sai do banho e quis que fosse você me abraçando. Quis abrir os olhos e ver o meu par de olhos preferido. Noite passada eu ri até a barriga doer e lembrei que última vez que ri assim foi com você, naquela volta pra casa. Noite passada eu quase fui feliz com outro cara, mas no meio do beijo de despedida eu quis te encontrar, deitar no seu colo e amanhecer ali. A noite foi incrível com ele, mas quem eu levei pra casa comigo foi você.

3 de dezembro de 2015

Não vale a pena que é.



Talvez você nunca tenha parado pra se perguntar o que eu estou fazendo aqui, eu me pergunto isso todos os dias. Cada vez que você vai embora eu me pergunto se vale a pena, se o que estou fazendo de alguma forma merece perdão. Eu não quero mais me sentir um deslize, não quero me perguntar mais nada, quero que você vá embora. Quero de volta uma consciência tranquila. Estou parada em frente a uma tela em branco tentando explicar que eu não te quero mais. Não quero mais sua metade, não quero mais fingir que não me importo, que não sinto, que estou satisfeita. Não quero mais alguém que aceite me dividir, não quero alguém dividido.
Não vale, sabe, decididamente, não vale a pena me sentir culpada, por mais incrível que tenha sido a noite. Não vale um sábado sozinha, por mais que a sexta tenha sido ótima ao seu lado. Não vale a pena que é.

12 de novembro de 2015

Nos vemos por aí.



Eu não fazia ideia do que era querer a felicidade de alguém acima de qualquer coisa, mesmo que essa felicidade alheia não me incluísse. Não sabia o quanto podia querer bem a alguém sem receber algo em troca. É dessa forma que penso em você, como a pessoa a quem eu desejo uma vida longa e inacreditavelmente feliz, mesmo ciente de que não vou participar. Porque você me deu outra perspectiva do mundo, me provou que ainda existem pessoas incríveis por aí.
Quando eu deito minha cabeça no travesseiro eu sei que você foi a coisa mais real que eu já senti na vida. Sou apaixonada por cada fio de cabelo seu, fora do lugar. Eu adoraria passar o resto da minha vida com você, mas adoraria ainda mais, que você passasse o resto da sua vida ao lado de quem você escolher e que essa pessoa veja, pelo menos, metade do que eu vejo quando te olho. 

9 de novembro de 2015

Não me falta nada, exceto você.


Eu juro por todas as divindades que conheço, que nunca mais encosto em você. Faço promessa. Anoto nos lembretes do celular, que ficar com você vai contra tudo que eu sempre acreditei, é um tremendo erro. Mas você sorri doce e eu esqueço cada uma das noites em que virei, repassando as dezenas de motivos que tenho pra me manter o mais longe possível. Você me tira do sério, do equilíbrio, do bom senso. 
Quando você chega eu quase odeio o mundo por ter demorado tanto pra nos apresentar. De todas as coisas que eu amo, você foi a mais fácil de amar. Não há nada em você que eu não goste absurdamente, o cabelo bagunçado, a barba por fazer, os olhos de ressaca e até das piadas sem graça. Com você elas tem graça sim, com você qualquer coisa tem graça. 
Quando você esta aqui eu não preciso de mais ninguém, qualquer outra pessoa é mera paisagem. Meus olhos não se desviam nem um minuto sequer dos teus, como se eu quisesse reter cada segundo da sua presença. Quando você esta aqui não me falta mais, absolutamente, nada. 

16 de outubro de 2015

Antes só do que meio acompanhada



A gente sabe, lá no fundo, a gente sempre sabe o que é real e o que não passa de uma vontade absurda de seja real. A gente sabe a diferença de quando é afeto e de quando não passa de conveniência, o que aliás é um tremendo egoísmo, apoiar-se em alguém pelo simples medo de ficar só, deixar que o outro se acostume com sua presença sem a intenção de permanecer.
A gente quer tanto que dê certo, que acaba aceitando um pouco de carinho, um pouco de atenção, um pouco de tudo que deveria vir inteiro. A gente deseja tanto ficar junto que se esquece de notar se o outro também nos quer por perto. E a gente insiste, reclama atenção - mesmo sabendo que quando ela não nos é dada, não adianta mendigar - e fecha os olhos para os encontros desmarcados, as chegadas adiadas, a falta de tempo, a notável indiferença. E continua-se ali, ao lado de quem só se faz presente quando é cômodo. 
Mas de repente cai a ficha e você percebe que ter só metade de alguém é o mesmo que não o ter. Ninguém se dá pela metade, é tudo ou nada, se você só esta recebendo isso, muito provavelmente você se encaixa no nada. E eis a hora de abrir os olhos e notar que se você sobrevive com metade, viverá sem. Exatamente, viverá, porque viver é diferente de sobreviver. 

7 de julho de 2015

Aprendi, eu juro.



Você foi embora como quem vai ali e já volta, encontrou noutro abraço o afeto que eu nunca soube dar. Passou de amor incondicional à gente se vê por aí. E eu fiquei aqui, ali, aí, esperando te ver. Esperando você voltar e dizer que tudo não passou de uma lição pra eu aprender te amar direito. Já aprendi, amor, já aprendi, volta. Volta com seu par de olhos pequenininhos gritando meu nome pra rua toda ouvir, volta do seu jeito, cabeça baixa rindo da minha braveza. Volta brigando, batendo portas, mordendo minha boca. Volta dizendo que sou ruim demais até pra você, volta como nas outras vezes e diz que tudo não passou de uma briga. Volta a contar nossos aniversários, volta a dizer que o destino cuida da gente, volta pra quem te amou do jeito mais esquivo que se há e odiou o mundo sem você. Volta, meu bem.

12 de junho de 2015

Foi incrível.



Nunca pensei que fosse durar tanto tempo, jurei que seriam no máximo dois meses. Semana passada contei o décimo segundo mês. Já faz um ano e ainda me lembro da roupa que você usava e do perfume que escapava delas na primeira vez. Um ano e hoje eu decidi que era hora de te afastar. Hora de tirar o time de campo, por que acordei sentindo uma falta absurda das suas bobagens, querendo seus braços em volta de mim. Por que eu quis te ligar pra falar sobre o episódio de "two and a half men" que vi noite passada e como eu ri, e te dizer que só tem graça quando minha risada te acorda. Por que eu queria te contar como eu gosto da pintinha acima da sua boca, mais do que qualquer outro detalhe, em qualquer outra pessoa no mundo. E eu fiquei com medo. Você parece estar por perto o tempo todo e quando não esta, tudo que eu quero é que chegue logo. E essa falta que você faz nos momentos mais absurdos me deixa apavorada, não quero sentir. Odeio sentir. Odeio a forma como você parece me conhecer. E odeio estar te obrigando a ficar longe agora. Só queria te lembrar que esse foi um ano incrível e repetir pela última vez, se cuida.

26 de maio de 2015

Se aquieta, a vida é bonita sim.


Tenho andado perdida em mim mesma, trocando os passos e indo até onde não devia. Tenho andado distraída e um tanto confusa, sufocando em ideias absurdas de uma fuga pra lugar nenhum. Não faço ideia de onde estou agora, pareço prestes a cair, prestes a me arrepender de algo que ainda não fiz e que, muito provavelmente, só descobrirei quando for tarde suficiente pra não ter retorno. Submersa nos meus próprios receios e fugindo dessa minha tendencia assustadora de cometer os mesmos erros do passado. Mas no meio de toda essa correria eu olho pra trás e vejo a única coisa da qual gosto verdadeiramente, a única coisa que eu reconheço e pareço conhecer de outras vidas: o sorriso mais aconchegante que já conheci. No meio de toda guerra há um abrigo, no meio das minhas batalhas pessoais eu me abrigo em você. Me escondo nos teus olhos doces, e quem me dera passar o resto da vida aí, na mira do teu par de olhos castanhos. Porque todo meu medo de não ser boa o suficiente acaba, toda minha indecisão sobre todas as coisas do mundo se desfaz quando você me abraça e me beija a testa, como quem diz, obrigada por ter vindo. E por um segundo eu tenho certeza que apesar de tudo, a vida é bonita.

12 de maio de 2015

Yin e Yang.


Ele cura gripe, mal estar e mal olhado, não há mal humor que se firme quando ele esta aqui. Não precisa dizer nada, o silêncio dele já é suficiente pra mim. Ele tem aquele jeito de calmaria, que eu nunca gostei e parece nunca perder o controle. Eu mal consigo falar devagar e ele sempre me obriga a esperar. Nunca o ouvi erguer o tom de voz, nem mesmo quando eu gritei, e mesmo assim sempre me venceu em qualquer conversa. Ele me desacelera, acalma minhas tempestades e me ensina que não é preciso ter pressa de viver. Cada vez que ponho meus olhos nele encontro um novo detalhe pra gostar. Olhar fundo pra aqueles olhos, que ora são verdes ora são castanhos, me faz um bem que não encontro em mais ninguém. Parece pecado gostar tanto assim de alguém. 

8 de maio de 2015

Infinitos


Existem infinitas possibilidades e centenas de milhares de outras pessoas por aí, só esperando para serem conhecidas, mas nesse instante eu não consigo me imaginar ao lado de nenhuma outra. Nesse momento eu trocaria todas as minhas possibilidades só pra te ver dormir bem de perto outra vez. Eu riscaria todas as minhas opções pra me tornar a sua. Porque nada nesse mundo tão gigante é tão acolhedor quanto o teu sorriso, nenhuma paz é maior do que a que eu encontro quando te encontro, quando me encontro. Nada me atravessa quando estou escondida no teu abraço, nada chega até mim e o resto do mundo é só paisagem. Todas as outras pessoas são apenas plateia do teu olhar. E eu que te jurava indiferença acordei infinitamente apaixonada pelo sorriso mais bonito da cidade. Você é meu lugar favorito, é como um livro que não me canso de ler, encontrando uma nova frase predileta a cada leitura. Me perco tentando encontrar um motivo pra gostar tanto de cada linha traçada no seu rosto, de cada fio de cabelo fora do lugar. Quanto mais reparo, mais gosto do que vejo. Você me parece um corredor infinito cheio de portas e eu quero descobrir o que tem atrás de cada uma delas.

10 de abril de 2015

Você não faz ideia.


Mas você não faz ideia, nem nunca ira fazer, da forma como eu vejo tudo. Sou da turma do 8 ou 80. Sou da pequena porcentagem que se apaixona do primeiro ao último centímetro de cada extremidade do corpo. E se eu te quero, quero de dentro pra fora, cada imperfeição irritante, tudo que tenho direito. Quero cada linha do seu corpo perfeitamente traçado. Mas se eu deixar de te querer, meu bem, por favor, nunca mais me procure.

2 de abril de 2015

Sobre a quem quase odeio.


Acabo de te ler em um texto, quase pude enxergar seu nome nas últimas linhas. Acabo de ter uma quase briga contigo e por mais que eu me concentre sou incapaz de sentir realmente qualquer, por menor que seja, vestígio de raiva. O que me leva a ter raiva de mim mesma. Já pensei em te deixar na mão uma centena de milhão de vezes, algumas por puro orgulho, outras só pra te ouvir dizendo: volta. Pensei em bater na sua porta e te dizer todas as coisas que estão engasgadas aqui, mas eu deixo tudo isso pra lá quando você sorri doce. Eu esqueço que sou uma mulher bem resolvida e que não preciso de você, e acabo precisando muito mais. Desaprendi a andar sozinha, porque você tem segurado minha mão sempre que sinto medo. Você é a unica criatura que consegue acalmar as tempestades que vivem em mim. Quando me olha e diz que tudo vai ficar bem, eu acredito. Eu que sempre duvido de tudo, acredito. 

23 de fevereiro de 2015

Decidi ficar.


Já fui embora e voltei tantas vezes que acho que nunca cheguei a partir de fato. Para cada passo que dei contra sua direção, andei outros três ao teu encontro. Para cada manhã em que fui embora jurando nunca mais voltar, houveram duas noites em que desejei nunca ter que partir. Meu lugar favorito deixou de ser um lugar e se tornou um alguém. E mesmo te vendo todos os dias, sou ineditamente feliz a cada nova chegada sua. Não há mal que tua presença não cure.

Suponho que nada seja tão instigante quanto teu olhar. Quando penso que estou longe suficiente, você me puxa pelo braço só pra me lembrar que não há distancia física ou psíquica suficiente pra te afastar.

4 de fevereiro de 2015

Em casa


Você ri das minhas ideias, até das mais brilhantes, e sempre discorda. Diz que eu espero o pior de você, mas não entende que é um jeito que inventei de não te amar tanto.Você diz que tenho gostos estranhos, mas estranho mesmo é gostar tanto de alguém assim, feito você. E mais estranho seria se eu não tivesse gostado. Você tem aqueles olhos, aqueles sabe, apaixonantes. Qualquer um que cruze teu caminho há de se apaixonar, de alguma forma.

Eu falo pelos cotovelos só pra não ficar quieta, meu silencio sempre se declara. Eu ando pra longe e me perco as vezes, só pra não passar tanto tempo contigo, quando estou do seu lado qualquer cego vê que estou no meu lugar favorito no mundo. Não sei que diabos você tem, que me faz querer tanto ficar por perto. E agora, como ir embora se você me faz sentir em casa?

8 de janeiro de 2015

Bilhete.


Estou indo embora enquanto ainda me resta alguma dignidade. Enquanto eu ainda existo apesar e não por, você. Antes que eu me torne apenas mais uma sombra. Prefiro morrer de saudades suas, do que de mim mesma.

Decidi juntar tudo que é meu e ir pra longe de toda sua festa. A ressaca de você me parece muito mais dura do que qualquer outra. O assustador é que eu estava quase me acostumando à ela. Por isso, enquanto ainda há alguma razão em mim, estou te deixando pra trás. Sei que você vai compensar minha falta muito bem, você é bom nisso, em se divertir. Antes que eu pareça estar te culpando, quero deixar claro que não. Isso era pra ser apenas um bilhete de adeus, mas eu sempre me estendo quanto o assunto é você.