17 de outubro de 2012

Corpo a corpo.


Não importa quantas bocas eu beije, quantos corpos eu toque, nenhum deles vai entrar na minha mente como você. Ninguém vai me comandar como você. Porque ninguém tem essa essencia, esse jeito, essa magia, esse brilho. É só você que consegue me paralizar, me deixar sem fala. Os outros se tornam apenas sombras quando você esta por perto. Tem algo em você, algo que me atrai, me prende, me domina. Não tem nome a sensação que tenho quando a gente se toca. É extraordinario!

Não deixe o tempo me roubar de você!


Será que alguém poderia lhe dizer que você esta perdendo tempo. Perdendo vida. Talvez alguém devesse te lembrar, uma última vez, que o tempo esta passando e que eu estou cada dia mais distante... 

E você desistiu...

Quando eu te encontrei não pensei que pudesse gostar tanto de você. Não pensei que você seria importante, na verdade nem sei porque foi que eu quis te conhecer. Mas eu quis. E como foi bom te conhecer. Você foi a ultima  melhor coisa que me aconteceu...
O ultimos meses foram os melhores que eu ja vivi e não posso te deixar se afastar de mim, sem ao menos tentar te fazer entender que eu te amo, que eu amo cada uma das suas qualidades e amo ainda mais os seus defeitos. Amo quando você me chama de "linda" e quando diz baixinho "eu te amo". Amo quando diz que sente minha falta e que precisa me ver. Amo quando você sorri e seus olhos quase fecham. Amo o modo como você arruma o cabelo e seu jeito chato de ser. Eu amo tanto essas coisas suas que as vezes preciso te dizer só pra não explodir, mesmo eu odiando admitir que amo tanto alguém. Não importa o quanto a gente a brigue, você sempre vai ser o meu anjo. Eu sei que sou chata e que as vezes fica quase impossivel me suportar, mas todos os dias eu acordo tentando ser melhor por você, pra você. Só não desiste de mim. Não desiste...

Deixou de ser você.

E hoja pela primeira vez você não era minha primeira opção. Hoje depois de tanto tempo você havia deixado de ser meu primeiro desejo. É incrivel como as coisas mudam. Hoje pela manhã peguei meu celular com algumas mensagens não lidas e nem por um segundo sequer me passou pela cabeça, ah podia ser ele. Eu quis imediatamente que as mensagens fossem de outra pessoa. E o mais engraçado é que estou repetindo seu nome agora e nada, nenhum arrepio, nenhuma saudade. Você deixou de ser o pedido das minhas orações há algum tempo e só hoje eu percebi isso.

Esqueça.

Você se pergunta quando foi que ele deixou de te amar, quando foi que ele decidiu que você não era mais o amor da vida dele? Bom, eu lhe digo, foi quando ele enjoou. É, ele enjoou, simples assim. Esqueça as coisas que ele lhe dizia. Desde as mais banais como, minha linda, minha pequena, minha vida, minha querida, minha princesa. (Minha é o caralho, você não é dele e não é de ninguém. Você é sua e só se dá de presente pra alguém, a mulher que não reconhece o próprio valor). Até as mais profundas como, você é a razão do meu viver, eu jamais conheci alguém que me fizesse tão bem quanto você, eu vou amar você pra sempre, estou tentando ser um homem melhor por você e a mais clássica de todas: Eu mudei por você!
Esqueça tudo isso, porque se ele te deixou sem um motivo razoavelmente bom, era tudo mentira. E só mentira.

16 de outubro de 2012

O que diria à pessoa que você ama?

Diria que eu sou completamente louca por você. E que não há um dia sequer em que eu não me lembre de você, e de como nós poderiamos ter sido um casal fantástico. De quantas coisas eu sei a seu respeito e quantas outras eu gostaria de aprender. Diria que comecei a viver no dia em que te conheci e que ninguém no mundo tomará seu lugar, porque você é único. Você é a unica excessão à minha regra de não amar ninguém acima de mim mesma. Diria que sinto meus pés sairem do chão quando eu olho dentro dos seus olhos e que não há nada mais bonito nesse mundo do que o seu sorriso. E que o som da sua risada é a melhor musica que já ouvi. Eu diria que o meu mundo inteiro some quando você me abraça e que nada pode me roubar esse abraço. Esse, que é o melhor abraço que já senti. Por fim, eu diria que mesmo que se passem séculos, em nenhum só dia, seu rosto sairá da minha cabeça e que sempre que me perguntarem sobre o amor eu falarei sobre você!

10 de outubro de 2012

Não deu!

Não importa pra você, mesmo assim eu quero dizer. Não vai fazer diferença, mas eu quero que você saiba... Eu te ouvi me chamar de amor e achei que fosse sincero. Eu resisti às suas crises de ciumes que até hoje não entendi (porque afinal, só tem ciumes quem ama). Eu te dei o melhor que eu tinha e fingi que não me irritava quando você tentava mudar meu jeito. Eu ignorava as piadas que faziam sobre você (sobre sua idade, sobre suas pernas finas e seu exagero). Eu briguei quando me disseram que seu sorriso era falso e que nós não durariamos muito (e no fim não é que a pessoa estava certa). Eu ouvia você falar sobre suas histórias ridiculas de quando ficou bêbado ou do quanto você e seus amigos infantis se julgavam espertos. Ou até mesmo da vez que você matou aula pra fumar e se sentiu "vivendo perigosamente". Eu ouvia tudo isso e só pra te agradar fingia que te achava foda. Eu aguentei suas manias irritantes e sua birra. E quer saber, seu jeito mimado me dava nos nervos, mas eu aguentava. Eu aguentei tudo por todo o tempo e o prêmio que recebi por isso, foi ser dispensada. Dispensada, como se você pudesse encontrar no mundo alguém melhor, ou que te alguentasse mais, do que eu.
Mas agora meu caro, agora você é quem vai ter que aguentar uma verdade. Eu sempre fui mulher demais pra você e só aguentei todo esse tempo porque achei que você pudesse se tornar homem suficiente pra mim. Não deu!

6 de outubro de 2012

De repente!

Eu queria entender porque você? Porque no meio de tanta gente foi você quem me salvou. Quando eu não acreditava mais que pudesse amar outra pessoa, eis que surge você com seu sorriso meigo e seu jeito doce meio amargo. Me roubando de tudo que eu sempre acreditei, me roubando da realidade que eu já tinha me acostumado a viver. Foi devargazinho, quase que de maneira imperceptível que você me ganhou. Eu lhe contei os meus medos e minhas feridas, contei a você coisas que eu não havia contado a mais ninguém, entre uma crise de choro e outra eu te revelava coisas que eu escondia até de mim mesma. E você ouvia, você ouvia cada palavra que eu dizia gaguejando e escutava minha voz ficar rouca enquanto eu chorava. Eram nesses pequenos instantes que você me ganhava sem que nós nem percebêssemos. Foi só pra você que revelei o meu medo de perder as pessoas, foi só pra você que eu mostrei o quanto sou fraca e frágil. O quanto sou fácil de quebrar. Com você não tinham joguinhos, era assim, eu te amo mesmo. Não tinhamos medo de ser nós mesmos o tempo todo, pelo menos eu não tinha. Ninguém nunca esteve tanto tempo do meu lado sem estar. Era como se você cuidasse de mim de longe, como se sentisse minhas dores por pensamento. Por algum tempo você foi o meu chão, o lugar pra onde eu corria quando as coisas pareciam desabar. Você parecia saber que eu precisava de cuidados e mimos. Que por mais que eu tente esconder com uma surperficie meio fria lá no fundo eu sou o tipo romantica, o tipo que ainda acredita em amor verdadeiro, de coração puro. Mas você foi embora. Você me ensinou que sempre existe alguém capaz de curar suas feridas e depois partiu, saiu da minha vida do mesmo modo como entrou. De repente.